Esportes de alta performance provocam mais lesões que outros esportes? | Blog Hopper Nutrition

A resposta é não.

Quem já pratica esportes de alta intensidade há algum tempo possivelmente já foi indagado com alguma frase parecida: “Nossa você pratica esportes de alta intensidade, não tem medo de se machucar?“.

Bem, como ortopedista esportivo, pesquisador, amante do esporte e médico de muitos atletas praticantes de esportes de alta intensidade, também me fiz essa pergunta. Contudo, movido por essa questão, resolvi pesquisar o que a medicina, baseada em evidências, tem a dizer sobre o tema. A grata surpresa foi a grande quantidade de artigos publicados sobre esportes de alta intensidade na literatura médica. Mais ainda, encontrei uma boa base de trabalhos de qualidade publicados por brasileiros em periódicos internacionais, colocando nosso país como referência mundial para o estudo desse esporte.

A ideia deste texto é trazer, à luz da ciência, a verdadeira informação sobre o risco de lesões músculo esqueléticas na prática dos esportes de alta intensidade. De antemão, já vamos responder a pergunta mais inquietante: Praticar esportes de alta intensidade aumenta o risco de se ter uma lesão articular? A resposta é: Não mais do que qualquer esporte competitivo. Na verdade, o risco de lesão praticando esportes como futebol e basquete chega a ser 3 vezes maior que nos esportes de alta intensidade. Já quando comparado com musculação, por exemplo, o risco de lesão é exatamente o mesmo. Ou seja, a prática de esportes de alta intensidade, na verdade, tem um risco de lesão muito menor que muitos esportes competitivos.

Taxa de lesões no Crossfit comparada a outros esportes
Taxa de lesões nos esportes de alta intensidade comparada a outros esportes

Os problemas articulares nos esportes de alta intensidade acometem os praticantes, com maior frequência, nos primeiros 6 meses de treino, isso é causado principalmente pelo erro de execução dos movimentos básicos. Quanto as articulações mais frequentemente lesionadas são, respectivamente, ombros, coluna lombar e joelhos. Nesse contexto, é de suma importância o papel do coach, do material e ambiente de treino pensados para a estratégia de prevenção. Mais ainda, no começo da prática, existe uma relação direta entre o risco de lesão e a frequência de treino, assim cabe ao coach modular o ímpeto do atleta.

Quanto ao aspecto da gravidade nas lesões, mais um fator que dissocia de outros esportes competitivos é o fato de que apenas 1% delas tem potencial cirúrgico, sendo que a grande maioria dos problemas tendem a ser resolvidos, com o tratamento clínico, em até 6 semanas.

Outro ponto interessante é que boa parte dos atletas que iniciam as atividades no Box já tem experiência atlética esportiva anterior, assim sendo, cerca de um terço das lesões atribuídas à prática do WOD são exacerbações de problemas prévios. Dessa forma entende-se que apenas um terço das lesões, excluído o erro de técnica, execução e lesões anteriores tem sua origem essencialmente na prática exclusiva dos esportes de alta intensidade.

Postos os possíveis potenciais lesivos de frequentar um Box, vale muito a pena ler mais um pouco para entender todos os benefícios. Muitos artigos falam em mudanças articulares, como aumento do colágeno, da espessura e qualidade dos tendões e aumento da cartilagem, em joelhos, tornozelos e ombros. Outros tantos falam das vantagens no controle do diabetes, hipertensão, obesidade, dislipidemia. Até mesmo um ótimo artigo publicado no periódico da academia americana de cardiologia, falando da segurança e benefícios para a prática de pacientes com sérios problemas no coração.

Além do aspecto de melhora na composição corporal há aprimoramento de parâmetros psicofisiológicos e psicossociais. Dados sugerem que a prática dos esportes de intensidade está associada a níveis mais altos de senso de comunidade, satisfação e motivação.

Fica claro que a literatura médica aniquila a ideia de que se dedicar aos esportes de intensidade traria preocupações consistentes quanto ao fato de ser uma atividade que promova mais lesões ortopédicas, quando comparado a outras práticas esportivas.

Como conclusão, é fato entender que o médico do século XXI não deveria recriminar o esporte, mas sim aprender a prescrever o exercício, com muito mais benefícios que boa parte das medicações.

Já conhece os suplementos da Hopper Nutrition? Acesse nosso site e garanta o seu.

Referências Bibliográficas:

1: Minghelli B, Vicente P. Musculoskeletal injuries in Portuguese CrossFit practitioners. J Sports Med Phys Fitness. 2019 Feb 5. doi:10.23736/S0022-4707.19.09367-8. [Epub ahead of print] PubMed PMID: 30722656.

2: Tafuri S, Salatino G, Napoletano P, Monno A, Notarnicola A. The risk of injuries among CrossFit athletes: an Italian observational retrospective survey.
J Sports Med Phys Fitness. 2018 Nov 8. doi: 10.23736/S0022-4707.18.09240-X. [Epub ahead of print] PubMed PMID: 30421876.

3: Feito Y, Burrows EK, Tabb LP. A 4-Year Analysis of the Incidence of Injuries
Among CrossFit-Trained Participants. Orthop J Sports Med. 2018 Oct 24;6(10):2325967118803100. doi: 10.1177/2325967118803100. eCollection 2018 Oct. PubMed PMID: 30370310; PubMed Central PMCID: PMC6201188.

4: Fealy CE, Nieuwoudt S, Foucher JA, Scelsi AR, Malin SK, Pagadala M, Cruz LA, Li M, Rocco M, Burguera B, Kirwan JP. Functional high-intensity exercise training ameliorates insulin resistance and cardiometabolic risk factors in type 2
diabetes. Exp Physiol. 2018 Jul;103(7):985-994. doi: 10.1113/EP086844. PubMed PMID: 29766601; PubMed Central PMCID: PMC6026040.

5: Claudino JG, Gabbett TJ, Bourgeois F, Souza HS, Miranda RC, Mezêncio B, Soncin R, Cardoso Filho CA, Bottaro M, Hernandez AJ, Amadio AC, Serrão JC. CrossFit Overview: Systematic Review and Meta-analysis. Sports Med Open. 2018 Feb 26;4(1):11. doi: 10.1186/s40798-018-0124-5. Review. PubMed PMID: 29484512; PubMed Central PMCID: PMC5826907.

6: Mehrab M, de Vos RJ, Kraan GA, Mathijssen NMC. Injury Incidence and Patterns Among Dutch CrossFit Athletes. Orthop J Sports Med. 2017 Dec 18;5(12):2325967117745263. doi: 10.1177/2325967117745263. eCollection 2017 Dec. PubMed PMID: 29318170; PubMed Central PMCID: PMC5753934.

7: Williams S, Booton T, Watson M, Rowland D, Altini M. Heart Rate Variability is a Moderating Factor in the Workload-Injury Relationship of Competitive CrossFit™ Athletes. J Sports Sci Med. 2017 Dec 1;16(4):443-449. eCollection 2017 Dec. PubMed PMID: 29238242; PubMed Central PMCID: PMC5721172.

8: Hopkins BS, Cloney MB, Kesavabhotla K, Yamaguchi J, Smith ZA, Koski TR, Hsu WK, Dahdaleh NS. Impact of CrossFit-Related Spinal Injuries. Clin J Sport Med. 2017 Nov 16. doi: 10.1097/JSM.0000000000000553. [Epub ahead of print] PubMed PMID: 29189338.

9: Drum SN, Bellovary Y BN, Jensen RL, Moore MT, Donath L. Avoiding misperception and misuse of CrossFit®: seeking evidence-based best practice recommendations on training and injury. J Sports Med Phys Fitness. 2017 May;57(5):721-723. doi: 10.23736/S0022-4707.16.07010-9. PubMed PMID: 28399623.

10: Meyer J, Morrison J, Zuniga J. The Benefits and Risks of CrossFit: A Systematic Review. Workplace Health Saf. 2017 Dec;65(12):612-618. doi: 10.1177/2165079916685568. Epub 2017 Mar 31. Review. PubMed PMID: 28363035.

11: Montalvo AM, Shaefer H, Rodriguez B, Li T, Epnere K, Myer GD. Retrospective Injury Epidemiology and Risk Factors for Injury in CrossFit. J Sports Sci Med. 2017 Mar 1;16(1):53-59. eCollection 2017 Mar. PubMed PMID: 28344451; PubMed Central PMCID: PMC5358031.

12: Klimek C, Ashbeck C, Brook AJ, Durall C. Are Injuries More Common With CrossFit Training Than Other Forms of Exercise? J Sport Rehabil. 2018 May 1;27(3):295-299. doi: 10.1123/jsr.2016-0040. Epub 2018 May 22. Review. PubMed PMID: 28253059.

13: Moran S, Booker H, Staines J, Williams S. Rates and risk factors of injury in CrossFitTM: a prospective cohort study. J Sports Med Phys Fitness. 2017 Sep;57(9):1147-1153. doi: 10.23736/S0022-4707.16.06827-4. Epub 2017 Jan 13. PubMed PMID: 28085123.

14: Haddock CK, Poston WS, Heinrich KM, Jahnke SA, Jitnarin N. The Benefits of High-Intensity Functional Training Fitness Programs for Military Personnel. Mil Med. 2016 Nov;181(11):e1508-e1514. Review. PubMed PMID: 27849484; PubMed Central PMCID: PMC5119748.

15: Aune KT, Powers JM. Injuries in an Extreme Conditioning Program. Sports Health. 2017 Jan/Feb;9(1):52-58. doi: 10.1177/1941738116674895. Epub 2016 Oct 21. PubMed PMID: 27760844; PubMed Central PMCID: PMC5315259.

16: Fisker FY, Kildegaard S, Thygesen M, Grosen K, Pfeiffer-Jensen M. Acute
tendon changes in intense CrossFit workout: an observational cohort study. Scand J Med Sci Sports. 2017 Nov;27(11):1258-1262. doi: 10.1111/sms.12781. Epub 2016 Oct 7. PubMed PMID: 27714843.

17: Sprey JW, Ferreira T, de Lima MV, Duarte A Jr, Jorge PB, Santili C. An Epidemiological Profile of CrossFit Athletes in Brazil. Orthop J Sports Med. 2016 Aug 30;4(8):2325967116663706. doi:10.1177/2325967116663706. eCollection 2016 Aug. PubMed PMID: 27631016; PubMed Central PMCID: PMC5010098.

18: Summitt RJ, Cotton RA, Kays AC, Slaven EJ. Shoulder Injuries in Individuals Who Participate in CrossFit Training. Sports Health. 2016 Nov/Dec;8(6):541-546. doi:10.1177/1941738116666073. Epub 2016 Sep 20. PubMed PMID: 27578854; PubMedCentral PMCID: PMC5089356.

19: Poston WS, Haddock CK, Heinrich KM, Jahnke SA, Jitnarin N, Batchelor DB. Is High-Intensity Functional Training (HIFT)/CrossFit Safe for Military Fitness Training? Mil Med. 2016 Jul;181(7):627-37. doi: 10.7205/MILMED-D-15-00273. Review. PubMed PMID: 27391615; PubMed Central PMCID: PMC4940118.

20: Keogh JW, Winwood PW. The Epidemiology of Injuries Across the Weight-Training Sports. Sports Med. 2017 Mar;47(3):479-501. doi: 10.1007/s40279-016-0575-0. Review. PubMed PMID: 27328853.

Receba novidades no seu e-mail:

Comentários:

  1. Pingback: Gengibre e seus benefícios - Hopper Nutrition Blog